Cervejaria Ambev, ONG Parley for the Oceans e “artivista” Eduardo Srur se unem pela conscientização sobre descarte de resíduos


Extra Information

Por Letícia Fernandes

 

Os leitores da Food Ventures devem se lembrar do projeto promovido pela Ambev e a ONG Parley for the Oceans,  instituição de combate à poluição marinha por lixo plástico. O projeto, que aconteceu no mês de junho no Rio de Janeiro, consistia em trocar garrafas plásticas por vouchers que valiam a troca por cerveja. Todo o plástico recolhido seria reciclado por uma empresa local.

Não é de hoje que Ambev vem estudando projetos que promovam a sustentabilidade. Através de uma de suas marcas, a Corona, a empresa vinha desde 2017 anunciando  sua meta de limpar e proteger 100 praias ao redor do mundo. Foi estipulado que isso seria feito até 2020 e, até agora, mais de 1.500 toneladas de lixo plástico de praias de 15 países foram recolhidos.

A Corona também foi notícia por aqui por conta de outro projeto (também em parceria com a Parley): a redução do plástico em suas embalagens. Embora a embalagem principal da Corona seja a garrafa de vidro, a marca sabe que as embalagens multipacks e os anéis agrupadores para latas causam muita poluição no oceano. Por este motivo, em parceria com a agência Leo Burnett, da Cidade do México, criou um sistema em que as latas se encaixam umas nas outras, chamadas de “Fit Pack”.

Aqui no Brasil, esse movimento da Corona e da Parley for the Oceans ganhou um novo capítulo com a ajuda do “artivista” (artista e ativista) Eduardo Srur. Entre os dias 12 e 19 de agosto, as obras do artista serão expostas na Avenida Paulista com o objetivo de sensibilizar a população sobre odescarte incorreto de resíduos plásticos.

Eduardo Srur já é conhecido por suas intervenções urbanas e obras que visam conscientizar sobre descarte de resíduos, impacto na natureza e outras questões ambientais e do cotidiano nas metrópoles. Agora, ele faz uma releitura de seis grandes obras de famosos artistas, utilizando resíduos plásticos retirados do Rio Tietê.

Intitulado de “Museu Indesejado”, o projeto apresenta trabalhos que são reconhecíveis por qualquer pessoa, como a Monalisa e o Grito, por exemplo, porém com releituras que utilizam sacolas plásticas e outros resíduos poluentes.

Após a exposição, as obras serão leiloadas e a verba arrecadada será doada ao Pimp My Carroça, movimento que busca tirar os catadores de materiais recicláveis da invisibilidade e sensibilizar a sociedade sobre a importância desses profissionais. Você já pode participar do leilão através da plataforma online.

A Ambev acredita que a intervenção artística é um ótimo método de conscientizar e sensibilizar as pessoas sobre consumismo e descarte incorreto de resíduos e a empresa continuará com novos e inovadores projetos de conscientização, seja através de ações voltadas à produção, ao modo de fazer negócios ou iniciativas em sustentabilidade.

 

 

Gostaria de se aprofundar nos assuntos? Abaixo disponibilizamos links para leitura complementar!

Estamos sempre buscando tendências sobre a revolução na cadeia de alimentos. Conhece alguma? Quer saber mais? Entre em contato.