É verdade que a aparência da jaca não a ajuda muito. A fruta é originária do sudeste asiático e é a maior fruta do mundo (nascida em árvores), uma árvore pode produzir até 200 jacas por ano, pesando cerca de 45kg cada uma.

Seu interior apresenta uma textura fibrosa muito semelhante à estrutura da carne e, por ter um sabor neutro, a jaca é perfeita para pratos bem temperados. Sua textura versátil permite que preparemos receitas que originalmente levariam frango desfiado , por exemplo.

Fonte: Receiteria

Alguns estabelecimentos já oferecem coxinhas de carne de jaca, rocambole, strogonoff ou fricassê.

Além da sua versatilidade, a jaca também é benéfica por ser uma “super comida”, ou seja, contém muita proteína e poucas calorias. É rica em fibras e vitaminas, como vitamina A, vitamina antioxidante C e vitaminas de complexo B. Além disso, é um fonte rica em cálcio, magnésio, potássio e ferro.

Em adição à sua versatilidade e saudabilidade,  a jaca tem um cultivo simples, está acostumada a altas temperaturas e é resistente a pragas e doenças. Segundo a The Jackfruit Company, o processo requerido para transformar a jaca em ingredientes que podem ser utilizados na cozinha é simples (apesar de não parecer!) e comercialmente viável, visto que a jaca é mais econômica que outros substitutos da carne como a soja.

Fonte: Tastemade

Apesar de ser considerada como uma fruta de pessoas com poucos recursos em muitos países da Ásia, outros lugares como Sri Lanka, Vietnã e Malásia, reconhecem o potencial da fruta e têm estabelecido uma forte produção de farinha, macarrão e sobremesas feitas a partir da jaca.

No Brasil, a jaca já é muito utilizada nas receitas de vegetarianos e veganos. Será que alguma startup teria o interesse em investir neste ingrediente? Deixe sua opinião!