Gigante dos alimentos Kraft Heinz investe em startup que produz queijo sem usar leite de vaca


Extra Information

Por Letícia Fernandes

 

 

A startup com sede em São Francisco, New Culture, produz queijo livre de leite, utilizando somente caseína (proteína do leite) e fermentação microbiana.

De olho nas novas demandas do consumidor e o que vem sendo feito para inovar nesse sentido, a Kraft Heinz, através de seu fundo de investimentos Evolv Ventures, fechou um acordo de cerca de 100 milhões de dólares com a startup.

Se atualmente os alimentos plant-based têm ganhado notoriedade e estão cada vez mais perto de atingirem o grande público, o mesmo não podemos falar sobre os queijos vegetais.

Matt Gibson, fundador da New Culture, garante que o seu queijo fornece textura, funcionalidade, gosto saboroso e nutrição, enquanto outros queijos que são plant-based não conseguem.

A New Culture pretende investir em uma instalação própria onde lidará com R&D e fermentação, além de testar sua própria marca de queijos para o varejo (começando pela muçarela), usando a tecnologia na qual se especializou.

Gibson afirma que a New Culture é uma das únicas empresas trabalhando deste modo, enquanto que outras utilizam a abordagem B2B, ou seja, produzem ingredientes para outras empresas usarem.

E como funciona o processo de produção da empresa, para que se considerem tão (ou mais) eficientes que as empresas que produzem leite a partir das vacas e outras empresas pioneiras que já trabalhavam com fermentação microbiana?

A New Culture utiliza técnicas da biologia sintética para inserir sequências de DNA no micróbio e isso faz com que automaticamente ele expresse as proteínas alvos: caseínas alfa, beta e kappa). Estas se transformam em grupos de caseínas e ficam suspensas indefinidamente na água do leite.

Ao contrário de outros micróbios usados como produção de moléculas, o micróbio usado por Gibson e sua empresa expele a proteína para o “caldo”e, a partir disso, é possível fazer a colheita através de processos mecânicos.

Ainda segundo Gibson, sua empresa é capaz de produzir um queijo delicioso, sem colesterol e utilizando poucas gorduras saturadas e açúcar e gorduras plant-based. Além disso, utilizam cálcio e outros sais como forma de catalizar e induzir a formação de um agregado de moléculas (micela).

E aí, será que vai dar certo? Eu experimentaria! Deixa sua opinião para nós…

 

Fonte: Food Navigator – USA

 

Gostaria de se aprofundar nos assuntos? Abaixo disponibilizamos links para leitura complementar!

Estamos sempre buscando tendências sobre a revolução na cadeia de alimentos. Conhece alguma? Quer saber mais? Entre em contato.