Região Norte e produtos vindos da floresta Amazônica – novas apostas nacionais


Extra Information

Por Letícia Fernandes

 

Que o Brasil é um país gigante e rico em diversidade todos já sabemos, mas o que realmente tem acontecido no ramo food tech em outras regiões além da sudeste, por exemplo?

Já falamos aqui sobre alguns produtos nacionais que levam a essência amazônica com eles, como as bebidas XUA e AMAZ, ainda que estas sejam basicamente comercializadas fora, e a Puro+, desenvolvida em São José do Rio Preto.

Falamos também do Amazônia Coffee, café gourmet e “diferentão” desenvolvido em Rondônia. Mas o que há além dessas empresas? Como funciona o investimento nessa região?

No Pará, por exemplo, temos empresas como a Manioca. Criada em 2014 pelos sócios paraenses Paulo Reis, 26, e Joanna Martins, 36, a fábrica produz e fornece alimentos típicos da Amazônia, chamando a atenção de chefs e estabelecimentos renomados.

O “empório” oferece produtos como tucupi congelado, jambú in natura e geleias típicas do Norte, além de terem desenvolvido um “molho shoyu” feito com tucupi negro, uma variação do tradicional caldo retirado da mandioca. A criação inovadora foi parar nas prateleiras do Pão de Açúcar.

Hoje, a linha com 17 produtos da Manioca está presente em mais 16 estados brasileiros.

Outro lugar de destaque é o da Nayah, empresa de chocolates artesanais também fundada no Pará. Sua fundadora, a engenheira de alimentos Luciana Ferreira Centeno, idealizou verticalizar a produção de cacau no estado, visando que este fosse o maior produtor de cacau do Brasil.

O processo envolve participar desde a colheita do fruto até a produção e comercialização do chocolate – tudo isso dentro do Pará; todos os fornecedores são paraenses, do cacau ao design de embalagens. Ao todo, a empresa tem mais de 200 produtos em seu portfólio, oferecedo diferentes linhas, como food service, presentes e tabletes de chocolate comuns.

O consumidor encontra ingredientes típicos do estado, como açaí, jambú e cupuaçu. A empresa, inclusive, tem um “cupulate”, chocolate feito com a extração da amêndoa do cupuaçu.

 

Gostaria de se aprofundar nos assuntos? Abaixo disponibilizamos links para leitura complementar!

Estamos sempre buscando tendências sobre a revolução na cadeia de alimentos. Conhece alguma? Quer saber mais? Entre em contato.