Siraitia, ou fruta-dos-monges, é a esperança da Layn na redução do consumo de açúcar


Extra Information

Por Letícia Fernandes

 

Especialista em produtos naturais, a empresa chinesa espera lançar novos tipos de adoçantes no mercado

 

Com sede e em Guilin, China, a Layn é uma líder global na produção de adoçantes plant-based e sabores naturais. Com aproximadamente vinte anos de experiência na indústria, a empresa oferece excelência de mercado na ciência e na agricultura por trás de seus produtos.

Como? A Layn trabalha em parceria com fazendas sustentáveis, oferece inovação no campo (com rastreabilidade) e uma capacidade potencialmente grande de produção. Apesar de estar no mercado latino americano há apenas 1 ano, a empresa tem um grande número de projetos em trâmite e alguns produtos do nicho de iogurtes e suplementos nutritivos já nas prateleiras.

Fonte: Natural News

O interesse da Layn na América Latina também se dá por conta do potencial de plantação. Começando com um cultivo de stevia na Guatemala, a empresa espera expandir seus territórios, podendo aumentar, assim, o número de colheitas por ano – mantendo um grande estoque de adoçantes frescos e naturais.

Segundo Mary Joe Fernandez, vice-presidente de vendas nas Américas pela Layn, os consumidores latino americanos já estão bem familiarizados com a stevia, os índios vêm usando por mais de 1500 anos, e, principalmente no México e no Brasil, você pode encontrar como opção de adoçante nas mesas de lanchonetes fast food.

Alem da stevia, a empresa tem altas expectativas sobre os extratos e sucos feitos a partir da fruta-dos-monges. Enquanto esperam o processo de aprovação dos produtos, que é muito similar ao processo pelo qual passou a stevia, segundo Fernandez, a empresa oferece uma plataforma chamada Lovia, que combina stevia e fruta-dos-monges para oferecer soluções de mercado que combinem os dois produtos.

Gostaria de se aprofundar nos assuntos? Abaixo disponibilizamos links para leitura complementar!

 

Estamos sempre buscando tendências sobre a revolução na cadeia de alimentos. Conhece alguma? Quer saber mais? Entre em contato.