Startup formada por alunos e ex-alunos da UFRJ cria embalagem biodegradável que identifica alimentos estragados


Extra Information

Por Letícia Fernandes

 

Chamado de Plasticor, o produto desenvolvido pelos alunos da Universidade Federal do Rio de Janeiro consiste em uma embalagem biodegradável que pode mudar para uma cor esverdeada ou rosada, indicando se a comida está própria para consumo ou não.

Fonte: Extra.globo

Além de muito útil, o Plasticor é também sustentável, tendo sido premiado como melhor projeto de sustentabilidade na área de alimentos pelo Hackaton – evento de empreendedorismo realizado por alunos da UFRJ e pelo Sebrae, no campus Xerém, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Como recompensa, a startup ganhou consultoria do Sebrae e oportunidade de internacionalizar seu projeto de bioplástico. Para entrar no mercado, é preciso formalizar a startup e receber a certificação do Ministério da Cultura e da Vigilância Sanitária, o que demora, em média, dois anos.

A equipe é formada por estudante e ex-estudantes da UFRJ, como Lorena Ballerini, de 26 anos, aluna do último período do curso de Nanotecnologia, João Vítor Lira, 20 anos, estuante de Biofísica, além de outros graduandos/graduados em Nanotecnologia, Biofísica, Biotecnologia e Design.

Segundo informações do Extra, o Plasticor vai poder funcionar de duas maneiras: embalando produtos para venda ou em fitas para que o cliente possa conferir se ele ainda pode ser consumido. Entre os apoiadores, a startup tem o Sindicato de Alimentos da Baixada Fluminense (Simapan), que tem mais de cinco mil empresas associadas e cerca de 2.350 padarias na região. O SIMAPAN está ajuda no contato com da equipe de pesquisa e produção com as padarias da região.

A questão do desperdício de alimentos também é um fator a favor do Plasticor, já que com ele podemos reduzir esse desperdício em até 80%. A embalagem evita que se perca produtos por causa da validade. Vantagens para o consumidor e também para os varejistas.

 

Gostaria de se aprofundar nos assuntos? Abaixo disponibilizamos links para leitura complementar!

 

Estamos sempre buscando tendências sobre a revolução na cadeia de alimentos. Conhece alguma? Quer saber mais? Entre em contato.