Mercado de bebidas vê crescimento apesar das dificuldade na pandemia

Como temos observado em nossos textos, o mercado de bebidas tem se dado bem ultimamente, apesar de todas as dificuldades do isolamento social devido à pandemia.

Os refrigerantes, por exemplo, foram o segmento de mais sucesso no mercado de bens de consumo em rápida evolução (FMCGs) no que diz respeito às crescentes relações com o consumidor durante a pandemia - de acordo com o relatório BrandZ 2021 da Kantar.

A categoria deve seu crescimento, particularmente, ao aumento do valor de marca e o investimento em inovações. A Coca-Cola, por exemplo, aumentou seu valor em 7,4% desde 2020, enquanto a PepsiCo cresceu 14,2% graças a alta demanda por snacks na pandemia.

O relatório da Kantar considera significância (atender às necessidades do consumidor de forma relevante), diferenciação (destacar-se ou definir tendências) e proeminência (vir rapidamente à mente) como os alicerces do valor de marca.

Por aqui, vimos essas tendências aflorando com a repaginação dos refrigerantes - de bebida considerada "junk food" a bebida refrescante com menos açúcar e mais benefícios; a inovação nas formas de apresentação dos vinhos e suas embalagens; criação de novos conceitos em bebidas como os "sucos para adolescentes" e as "cervejas de atleta"; coquetéis em lata que podem ser consumidos em vários lugares diferentes; o sucesso das hard seltzers; as bebidas personalizadas que podem ajudar no sono ou para acalmar a mente.

Das tendências citadas, pelo menos três foram lançadas pela PepsiCo., mostrando que além dos snacks, a gigante de alimentos e bebidas saiu na frente ao investir em inovação.


Fonte: Food Dive