Newsletter da Semana: Efeitos de Rede

Curiosidade: 29 de Setembro - neste dia, em 1996 o Nintendo 64 foi lançado nos EUA. Esse ano completa 25 anos do lançamento, que aconteceu no Japão 3 meses antes. Incrível pensar a velocidade na época para o lançamento atingir todo o mundo. Toda a criação do projeto começou um 1993. Hoje em 2021 vemos celulares lançados de 1 ano para o outro….

Shopping Center

Boa parte da nossa newsletter da semana será sobre conceitos e como podemos explorar a relação da construção de negócios que tornam a relação entre cliente e vendedores melhor. Uma comparação muito boa usada pelo whitepaper da Astella e Hix é o Shopping Center. Para entender um Marketplace você deve entender um Shopping Center. Para a maioria das pessoas o conceito dos shoppings é comum. Um ambiente físico que concentra diversas lojas, serviços e experiências que de certo modo facilitam o processo de uma compra.

Calma ai, explica de novo?

O Shopping atende dois públicos - o lojista e o consumidor. Seus administradores tem o trabalho de construir um espaço físico bem localizado, de fácil acesso que torne o fluxo de consumidores atraente para os lojistas. Do outro lado do processo, o perfil das lojas, experiências e serviços atraem um perfil de consumidor que giram a roda do negócio e tornam o shopping um sucesso ou um fracasso.


Com a expansão das compras pela internet, vemos o crescimento de alguns marketplaces e a oportunidade para construção de outros. Da mesma forma que os shoppings evoluíram e hoje encontramos perfil de shopping mais nichados (focados em público de classe alta, focados em experiências e serviços, focados em preços/outlet). A vantagem dos marketplaces digitais é não existir um limite físico para a construção da relação que aumente o fluxo de lojistas e consumidores, dessa forma, diferente de um shopping center o Marketplace tem a oportunidade de crescer e dominar uma grande parte do share de mercado - por isso vemos grande players como Mercado Livre e Amazon dominando setores e relações - tornando-se referência na busca por produtos, preço, marcas e lojistas.

Vendas ON e OFF

Antes de continuar e falarmos mais sobre marketplaces, vale ressaltar a importância do varejo físico - muitas vezes caímos na tentação de achar que termos e temas aquecidos nas rodas de negócios são a única coisa que devemos olhar no nosso dia-a-dia. O Covid avançou muito a penetração de mercado do e-commerce - muitas pessoas passaram a comprar online por necessidade e não por conveniência como a tese sempre foi construída. Dessa forma vemos mercado como o americano com 20% do varejo concentrado no e-commerce. 20%?? Você achou pouco ou muito? Eu achei pouco e fiquei impressionado que mesmo com todo a avanço que o lockdown e o vírus criaram para as compras online, elas ainda representam 20% de todas as compras no varejo. Dessa forma, os shoppings e o B2B ainda representam boa parte das compras no varejo. Para o nosso mercado, o de Alimentos (desculpa quem lê e é de outro mercado), os números são ainda mais impressionantes. As vendas de supermercados dobraram em muitos países, incluindo Brasil. Mais ainda representam apenas 10% de toda a venda de supermercados/alimentos. Metade dessas pessoas usaram pela primeira vez um supermercado online durante a pandemia e a outra metade, assume que começou a usar mais. Os números são impressionantes (em mercados que conseguimos extrair mais dado), nos EUA o mercado de varejo representado abaixo deixa claro o quanto o e-commerce tem potencial, mas também o quanto o físico é onde as vendas acontecem:


O Gráfico é interessante mas vale colocar uma lupa e entender o mercado de alimentos dentro dessa parcela:


E um dos pontos que tornam o mercado de alimentos ainda muito novo na relação de varejo online x off-line talvez esteja na relação logística dessa compra. E aqui vemos uma relação comparada a outros setores de como o varejo alimentar online é dividido no seu fullfilment:


Esse material é muito rico e valeria uma conversa só sobre isso, podemos voltar, que acham? Enquanto isso vocês podem aproveitar e ler o material, vale o seu tempo!

Marketplaces?

O estudo de Marketplaces é muito rico para uma única newsletter então vamos trazer os pontos mais interessantes e dar mais uma lição de casa - leiam também o material. Como os marketplaces podem ser divididos?

  • Grupos de atuação

Existem 3 modelos principais que estão categorizados de acordo com os participantes do marketplace. P2P - pessoas que vendem para outras pessoas - nesse casso pessoas físicas. Neste ambiente você compra e vende um produto direto de alguém e não de um lojista/empresa. B2C - Negócios(B) vendendo para consumidores - o modelo clássico do varejo tradicional. Neste caso os B representa as lojas, marcas e empresas. B2B - Negócios vendendo para Negócios - um mercado enorme de oportunidades e construção. O Alibaba.com é um exemplo de marketplace que lojistas/marcas compram de outros lojistas/marcas.

  • Horizontal x Vertical

Da mesma forma que falamos dos shopping centers a evolução dos marketplaces acontecem na relação de estratégia e estruturas dos mesmos. Aqui temos marketplaces horizontais que vendem e trabalham com variadas categorias (caso claro da Amazon) e tem o objetivo de se tornar o destino dos compradores em geral (como um shopping center tradicional). Já os players verticais tem o objetivo de focar em uma audiência/nicho específico ou um único setor - como é o caso do iFood - e poderíamos trazer a comparação de shopping de outlets, focados em um público específico e perfil de lojista.


Um dos pontos mais interessantes para pensar em Marketplaces é: existe oportunidade para mais entrantes? Com certeza sim, o desafio maior é a relação de estratégia para entrada e a famoso dilema do “ovo e da galinha”. Para construir um marketplace de sucesso a lógica e estratégia do shopping center prevalece. Você precisa de um grande fluxo de pessoas para atrair os melhores produtos e você precisa dos melhores produtos para atrair um grande fluxo de pessoas. Tudo isso precisa de muito investimento de tempo e construção de algumas estratégias. No material, existe uma infinidade de informações que podem ajudar quem estiver pensando nesse mercado - e você não precisa ter o sonho de construir um marketplace para estudar, você com certeza é um consumidor de um marketplace ou trabalha/empreende em um setor que vai depender de um marketplace. Pense nisso.


Eventos

Quer saber sobre tendências do setor, nada melhor que as brilhantes meninas da Equilibrium e o evento que marca o setor - BHB FOOD - SEMEAR l | Fórum de Tendências e Inovação em Alimentos, Bebidas e Suplementos - Inscrições Falamos de marketplace e consumidores mas tem muita coisa para mudar na forma como alimentamos o mundo, uma delas é a fermentação: Future Food Series: Fermentação - inscrições Não tem tempo hoje para eventos - coloca na agenda para ouvir um dos maiores fundos do setor de alimentos falar sobre mudanças climáticas - SOSV Climate Tech Summit - é gratis!

Comunidade

Lançamos a comunidade para trocar mais ideias de como transformar a forma que alimentamos o mundo. Faça parte da #Food Teremos um super espaço na Anufood 2022 para a primeira troca física dessa comunidade, semana que vem trago mais novidades!

Cinema…

Os trailers de filme, adoro essa parte no cinema e nossa!, quanto tempo que não vou no cinema.

Essa semana vi um trailer do Matrix e pensei, quando vou voltar a ir no cinema? Ler sobre futuro do varejo e trazer o conceito de shopping hoje me fez pensar muito mais isso, por isso gostaria de compartilhar aqui um trailer, espero que gostem



Obrigado, boa quarta! Augusto Terra (vamos conectar no LinkedIn?)