O setor de alimentos e o metaverso

Se você, assim como eu, achava que o metaverso era algo relacionado ao universo Marvel ou à DC Comics, se atente a esse texto, porque hoje - tentaremos - explicar tudo.

Segundo a Wikipedia, o Metaverso é a 'terminologia utilizada para indicar um tipo de mundo virtual que tenta replicar a realidade através de dispositivos digitais. É um espaço coletivo e virtual compartilhado, constituído pela soma de "realidade virtual", "realidade aumentada" e "Internet"'.

Já vimos bastante por aqui como a realidade virtual e aumentada podem contribuir para o avanço e inovações no setor de alimentos e bebidas. Mas o chamado Metaverso tem se popularizado desde que o Facebook mudou seu nome recentemente para Meta e avisou ao mercado que esse conceito iria nortear seu futuro.

Para o conceituado site Fast Company, essa é uma tendência superestimada. Isso porque a campanha publicitária do Facebook se baseia na premissa de que as pessoas terão a opção de 'escapar do “mundo real” para interagir em um mundo artificial (patrocinado, é claro, por eles)'. Mas para Mark Rolston e Jared Ficklin da Argodesign, esse raciocínio ignora que o que a computação tem feito é contribuir com o que já existe.


"Não queremos entrar nos universos dos nossos computadores, mas sim que os nossos computadores funcionem em interação com o mundo, com os lugares e situações nos quais a vida já acontece: na mesa de jantar, no trem, no encontro com amigos etc. (...) De todo jeito, seja qual for a interface, o futuro da computação não será uma escapatória para outro mundo. Ele será sobre nós, e sobre a força amplificadora que a tecnologia tem sobre as nossas próprias habilidades, nesse mundo em que já vivemos."


Segundo o influenciador tecnológico Evan Kirstel, o metaverso na área de alimentos, mais especificamente do varejo, pode parecer com isso: uma ida digital ao supermercado. O que acham? Sem dúvidas o Metaverso veio para trazer benefícios a diversas áreas, como saúde, imobiliária, etc.