O uso das cozinhas no ambiente de trabalho pós pandemia

Atualizado: Jun 30

Almoçar na firma agora será mais complexo. Estudo da CB Insights mostra as tecnologias e inovações sendo utilizadas para garantir a limpeza e segurança desses lugares utilizados por muitas pessoas - em um contexto pós-pandêmico.

Algumas empresas que retornaram com o trabalho presencial agora precisam tomar cuidado extra com a limpeza dos ambientes, principalmente cozinhas e salas de descanso. Alguns lugares estão espaçando mesas, atribuindo horários diferentes de almoço ou pedindo que seus funcionários comam em suas próprias mesas de trabalho.

Negócio: Para aqueles preocupados com a segurança dos alimentos se mantidos em contato com produtos químicos, a startup Sanitizit desenvolveu um desinfetante com secagem rápida que é seguro para áreas onde há preparo de comida.

Com muitas lanchonetes corporativas se mantendo fechadas enquanto os funcionários voltam ao trabalho, geladeiras e micro-ondas compartilhados podem se tornar mais populares. Para manter o distanciamento social, as empresas podem espaçar esses eletrodomésticos, se possível.

Negócio: A empresa HotLogic criou um dispositivo de aquecimento low-touch que retém alimentos e os mantêm aquecidos por horas.

Comandos de voz também pode permitir que os funcionários usem eletrodomésticos sem precisarem tocar em botões ou puxadores. Negócio: a Sensory vem desenvolvendo esse tipo de solução com aparelhos como o micro-ondas Midas, que possui um software e recebe comandos de voz para esquentar comida - em temperatura e tempo específicos.

Talheres e copos provavelmente serão descartáveis. É recomendável que tudo que é compartilhado (cafeteira, bebedouro, aperitivos) seja substituído por porções individuais - cada um com seu snack e sua garrafa de água.

Negócio: a empresa dinamarquesa TopBrewer vende uma máquina de café que não necessita de contato físico, o pedido pode ser feito pelo celular.

Para substituir lanchonetes e cantinas corporativas, é recomendado que se peça delivery individual. A Compass Group, do Reino Unido, por exemplo, adquiriu desde 2020 a startup Feedr (por 24 milhões de dólares). A Feedr permite que os funcionários peçam suas refeições até um horário específico, então os pedidos são enviados para os restaurantes locais, onde são preparados e entregues. Outros negócios similares: Foodee e Nutrifix.

Antes da Covid-19, as máquinas de venda automáticas (vending machines) estavam expandindo sua seleção de produtos para alimentos frescos e opções feitas sob encomenda. Basil Street Pizza, Farmer’s Fridge, Yo-Kai Express e Chowbotics oferecem produtos desde salada, até pizza e macarrão instantâneo.

Algumas máquinas até aceitam pedidos feitos via celular, permitindo que os funcionários guardem a comida ou pré-encomendem café. Negócios: Farmer’s Fridge e o robô barista Briggo.

Ainda que as pessoas estejam sentadas longe umas das outras, os funcionários ainda podem usar plataformas de vídeo para criarem espaços virtuais onde possam socializar e trocar experiências.


Continua.