Seria o óleo de copaíba nosso substituto ao CBD?

Copaíba, copaibeira ou pau-de-óleo, espécie de árvore encontrada no norte, nordeste, sudeste e centro-oeste do país, que é popularmente conhecida como "antibiótico da mata". Seu uso para com fins medicinais e cosmetologia é amplamente conhecido.


Óleo de copaíba


Seu principal uso é através da extração de óleo do tronco. O tronco deve ser furado até o cerne - parte interna do tronco formada por células mortas em que não ocorre o transporte de água. É utilizado para cosméticos e na indústria fitoterápica, por ter características antibióticas, anti-inflamatórias, antissépticas e ajudar na cicatrização.

Além disso, também pode ser usado como combustível para motores e para fabricação de tintas e vernizes.


THC x CBD x BCP


Sabemos que a planta cannabis (popularmente conhecida no Brasil como maconha) tem compostos chamados de canabinoides. Os canabinoides são produzidos naturalmente no nosso organismo e atuam no sistema endocanabinóide, ativando os seus receptores.

Os canabinoides provenientes de plantas (por exemplo Cannabis, Cânhamo, etc) são chamados também de fitocanabinóides. O CBD é um exemplo de um fitocanabinóide, mas há muitos.

O THC (Tetrahidrocanabinol), canabinoide mais conhecido vindo da cannabis, vem sendo estudado há anos por seus princípios medicinais, mas ainda encontra muito preconceito por conta de sua natureza psicoativa. Em português "rasgado", o THC é quem fornece a chapação da maconha.

Já o CBD (canabidiol) tem sido o grande queridinho dentro dos estudos de maconha medicinal atuais. Isso porque o CBD não apresenta o mesmo perfil de interação com os receptores que o THC. Sua interação é "baixa", causando pouca ou nenhuma chapação, mas mantendo as características medicinais.

Segundo o site HempMedsBr, no entanto, é correto afirma que tanto THC quanto CBD são psicoativos, pois ambos atuam no sistema nervoso central.

O BCP (Cariofileno ou β-cariofileno) é um sesquiterpeno bicíclico natural, presente em óleos essenciais de cravo-da-índia, cânhamo/cannabis, alecrim, copaíba e também no lúpulo. É também um dos compostos químicos que contribuem para o sabor picante da pimenta-do-reino (black pepper).

Pois o BCP também é conhecido como um Canabinoide, visto interagir diretamente com um dos receptores, o CB2. Mas, para nossa sorte, além de ser encontrado no óleo de copaíba (legalizado e brasileiro), o BCP também tem efeitos fitoterápicos e nenhum efeito psicoativo para quem utiliza.


Veja alguns benefícios do óleo de copaíba:


Potencial antisséptico e antitetânico;

Expectorante;

Ajuda com infecções e inflamações;

Antitumoral (mama, próstata e cólon);

Combate reumatismo e dores musculares;

Auxilia no tratamento de dermatites, urticárias, psoríase, acnes, herpes, feridas, leishmaniose, picadas de insetos e picada de cobra;

Ajuda a estancar hemorragias.


Acreditamos que disso para um potencial ingrediente no setor alimentício é apenas um passo. O que acham?